terça-feira, setembro 13, 2016

A Dieta - 5 - A Pesagem

IMC - 26,33

Sobrepeso
Não me posso pesar todos os dias.
Diz que torna a malta ansiosa e acho que a ansiedade engorda.
Posso-me pesar amanhã, mas não posso ficar ansioso até lá.
A desinformação é brutal.Primeiramente o senso comum. "Este alimento hoje faz bem, amanhã já não presta. Saiu um estudo assim que rebate o estudo assado. Lobby disto contra fundamentalistas daquilo." 
Depois as grandes nuvens de palavras. "Ambientalistas, celíacos, vegans, soulfood, sustentável, light, origem controlada, pegada ecológica, exploração intensiva, transgénicos, agricultura biológica, pesticidas, conservantes, etc"

É impossível acompanhar esta gente.
É que nada disto me faz sentido. Como é que eu vou perder 10kg? 
(À Xutos!)

A minha formula é muito simples.

| Comer metade + mexer o dobro = ficar mais magro |

- E como é que isso está a correr?

Mais ou menos.
Jé me sinto um pouco menos, mas Setembro tem festas a mais.
Há concertos por todo, ideias e magníficos dias de sol... Pior... Sofro de FOMO - fear of missing out. Que é uma maneira em inglês de me chamar "Maria vai com as outras".

A Maria está a reajustar.

Não posso fazer os meus dias.
Tenho que ser uma Maria das outras... e isso dá-me ansiedade.


Veremos amanhã.

quinta-feira, setembro 08, 2016

A Dieta - 4 - O casamento

Não se iludam.
Fazer dieta pode ser difícil e requere disciplina. Parece que há sempre alguma coisa que interfere no plano.
Por exemplo.

No próximo sábado um dos meus melhores amigos vai-se casar com uma miúda de Odivelas.
Como um mal nunca vem só... Ainda falta fazer a despida de solteiro.
- Esperamos que não seja em Odivelas.

Vivem em pecado há algum tempo e ocasionalmente existe coito. Para os que ainda têm dúvidas, nenhum dos dois casará virgem.
Antes pelo contrário.
Conheceram-se  há alguns anos na clandestinidade. Como tradicionalmente se impinge, com uma grande paixão nasce um grande amor. E não demorou muito até que arranjassem um ninho comum. Decidiram partilhar casa em Benfica e como todas as pessoas que lá vivem, insistem em afirmar que "estão perto de tudo".
- A isto chama-se justificar o injustificável.
Ora o teu tudo pode ser o meu nada, mas o "vice" não versa. O "vice" está caladinho e não faz quadras porque está demasiado ocupado, a arranjar lugar para o carro.

O tempo passou e passou outra vez. Passou mais uma vez e voltou a passar.
É a história de sempre. Não há nada de novo aqui. É o delírio dos costume.
- Então e agora?
- Agora vamos casar.

Como já perceberam a coisa está típica o suficiente e adivinha-se um casamento caótico.
Façam as contas.
Todos os degenerados rudes, variados, mafiosos e afins vão se juntar com a fina flor do entulho suburbana, numa quinta no Cartaxo, num casamento às 16h, onde o tema é o faroeste.

É mesmo isto.
Um colorido vórtice.

Não me interpretem mal.
Tem tudo para ser épico e os melhores dos melhores vão lá estar.

Alem disso há amor e - para quem gosta dessas coisas - muito estilo.
- Pode haver uma tatuagem tribal, com um sapatinho pele de picha?
- Pode.
- Cabelinho com gel no alto da pinha e "rapaduxo à sargentão" por baixo?
- Então não?
- Pode haver uma sirigaita de fisga, a fazer insinuações porcas, dois minutos depois de te conhecer?
- Possível.
- Cota com vestido cortinado?
- É capaz.
- Malta que vai vestida como os empregados de mesa?
- Clássico.
- Piercing na sobrancelha, qual fã de Limp Bizkit no final dos anos 90?
- Nunca se sabe.

Estilo é estilo e a malta tem de deixar de julgar o livro pela capa... A menos que a capa seja mesmo... Ruim.

O que interessa aqui, é que há amor.
- Como diz o noivo, "Tem de ser amor, porque interesse não há nenhum!"
E como amigo de longa data tenho todo o gosto em testemunhar esta união.

Acho até que o casamento devia ter um padre, ou um "pastor" - para quem gosta de novidades.
Apesar de ser uma cerimónia civil acho que ficava bem.
Se tiver quem me ajude, faço a barba, visto-me de escuteiro e roubo um num instante.

- A minha prenda para vocês...
- Mas porque queremos nós um padre?
- Para estarem na graça de Deus.

Mas não dá. A malta do clero consome muito aos cem. Comem, bebem, e ainda levam dinheiro por coisas...
Viver em Benfica também não ajuda.
Ele não é baptizado.
Ela é uma loura variável.
Não sei se Deus atina na cena.

Enfim.
O amor triunfará, mas temo que a minha dieta não.

Um casamento é tradicionalmente um lugar de excessos. Um prova de resistência física e mental
Beber muito, comer muito, falar muito. Fumar alguma coisa.
E depois tudo outra vez.
Rir muito, gritar muito, casa de banho muito. Dançar alguma coisa.
E depois tudo outra vez.

Só os duros chegam ao fim.
E o fim pode não ter plafond.



Nota do autor: João e Marta... Os meus votos são simples e deixo os floreados para depois. Muitas felicidades.

quarta-feira, setembro 07, 2016

A Dieta - 3 - A Gorda tesuda

IMC - 26,33

Sobrepeso


Gordinho...
Devo ser um leitão... Para estar gordinho.

A balança lá me explica.
- Menos 10kg... e estavas no ponto.

Magro. Não parecia um chouriço vestido. Parece que agora tudo é melhor em magro. Diz que sim. Porque se for gordo vou passar a vida a fazer piadas foleiras sobre a minha condição. Criarei uma máscara de alegria e boa disposição para me integrar socialmente com maior facilidade. Para fazer amigos não gordos. Para comer às escondidas. Tudo para diluir a dor e a depressão. Porque os gordos sofrem imenso quando as pessoas os rejeitam. Porque a auto-estima de um gordo é magra. Ou anorética. Porque a comida é um refugio e provalvelmente vou tentar comer o meu próprio abrigo. O que não faz muito sentido. Tal como generalizarmos perfis psicológicos, pessoas, doenças, ou perpetuarmos lugares comuns.

Foda-se.
Poupem-me.

Eu não tenho nenhum problema com o facto de estar gordinho. Isso é estúpido. Apenas quero viver mais tempo e ter cabide para uma roupa catita. É vaidade e egocentrismo. Não há nada de nobre na minha dieta.

Aliás chega a ser contra corrente.

Todos os meus amigos, cansados das "miúdas fitness", dos ginásios e das cenas horríveis que elas comem, quem apenas uma só coisa: Comer uma Gorda.

Mas não uma qualquer. Uma meia gorda não chega.
É preciso comer uma Gorda tesuda!
Uma mulher maciça. Com curvas grandes e largas. Molhada. Com aço. Das que suam toda a noite. Das que nunca param e têm sempre vontade... Ali... A dar o litro numa gritaria parva.
A fome e vontade de comer juntas para abocanhar o mundo. Trinca-lo à bruta.
Esta é que é a verdade.

E dói-me... Pensando bem custa...

Ser eu uma gorda tesuda e destruir tudo com esta dieta.


Dados de ontem
- 9.5 km de caminhada
- 537cal
Estava com o pé leve.

terça-feira, setembro 06, 2016

A Dieta - 2 - As mamas da fadista

IMC - 26,33

Sobrepeso

"Você é demasiado giro para mim", disse-me a cinquentona pesada e risonha, enquanto se ajeita no meu antigo lugar.
"De facto sou" pensei.
Mas apenas lhe sorri, com a certeza de que o meu cavalheirismo nada está associado a vulgares ímpetos carnais.
Senti-me bem.

Dei um gole e ajeitei a camisa. Está um calor desgraçado. Está a relampejar desde as cinco da tarde. O primeiro concerto foi um hino à mediocridade e em seguida temos fado. Cantam as mamas da fadista. Canta nada. Canta pouco, a lambisgóia.

Ao longe reconheço a minha colega do liceu e, num impulso disparo em sua perseguição.
"Ohhh há quanto tempo... Estás aqui... Que andas a fazer? Já não te via há tantos anos. Como é que estás."

(Confesso que me engasgo sempre quando reencontro essa malta. Nunca sei o que esperar. Há gente de quem desapareci... tempo demais.)

Mas ela está bem. Como sempre esteve.
A idade não nos roubou muito. Estamos quase iguais. Como novos. Ainda a dar cartas. De todos os naipes, e de vários baralhos.
Ainda relevantes para o mercado.
Como nos cigarros falados. Sentidos na pele os poemas, das aulas de português, de pátio para pátio, naquele Lyceu mágico.
Como quando íamos à praia, ao cinema, de férias, até estrangeiro, aos santos, beber café, em festas por todo o lado, nas noites do ano inteiro, seguidos de outros anos, até abandonar Lisboa.

Eu parti.
Ela ficou.

Ficou e apresentou-me os filhos. Adolescentes. Quase da minha altura. E ela puxou do mesmo cigarro de sempre. Falando da noite anterior, da viagem, da festa e das mil coisas que não foram faladas em mais de dez anos...

Fitando-me de alto a baixo, disse com aquele tom trocista:

- Estás mais gordinho.



Dados de ontem
- 2,2 km de caminhada
- 121cal
Esteve demasiado calor para me aventurar em exercícios

segunda-feira, setembro 05, 2016

A Dieta - 1 - Abotoar é um verbo sério

IMC - 26,33

Sobrepeso


Vou dizer-te toda a verdade.

Se um dia fores alguém, acordarás feliz e dorido.
Mas mesmo todo partido.
Queixar-te-ás sorrindo, enquanto a luz te compõe, como num anúncio.
Imagina.
Um belo dia de sol, cheio de coisas boas para viver, com tudo o que te apetece fazer.
Sem pressas nem chatices.

É esse o dia. Se um dia fores alguém.

E é nesse dia, que te vais aprumar empertigadamente, como o alguém que és.
Vais ter o impecável cuidado, de estar impecavelmente preparado, para o resto da tua vida.
E vais usar camisa.
A tua melhor camisa. A que te é mais precisa.
Como um homem.

Farás combinação.
Porque para a melhor camisa... o melhor par de calças. Aquelas que não são falsas.

E é nesse dia que vais abotoar. E abotoar é um verbo sério. Porque precisas de duas mãos para abotoar. Não se abotoa assim sem mais nem menos. Tem que se ter jeito. Por vezes fazer força.
Podes até machucar um dedo.
E é nesse dia de compromisso que o descobrirás. Toda a verdade, se um dia chegares lá.
As tuas calças favoritas... já não te servem.

E tu és alguém.

Simplesmente já não abotoas como abotoavas.



Dados de ontem
- 5,8 km de caminhada
- 321cal

A Dieta - 5 - A Pesagem

IMC - 26,33 Sobrepeso Não me posso pesar todos os dias. Diz que torna a malta ansiosa e acho que a ansiedade engorda. Posso-me pe...