quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Quase é a palavra mais exacta

Eu nasci num principado Lisboeta no final do século XX.
Dada a minha condição e missão naquele contexto, nunca fui apresentado às tarefas domesticas.
Apesar de sempre ter retirado prazer de comer ou de acompanhar processos na cozinha, a minha introdução à arte de confeccionar víveres surgiu por influência exterior.
Já adulto.
Já criado.
Rapidamente entendi que cozinhar era peça fundamental num longo e moroso processo independentista.
Umas das coisas que me seduziu neste periodo foi o facto de associar o tempo de confecção, as suas práticas e sequências a um momento criativo com retorno quase instantâneo.
Essa dinamica estimulava-me.
Passei a cozinhar duas vezes ao dia. Sempre diferente, sem repetições, ou aproveitamentos.
Com o tempo comecei a frequentar lojas e supermercados buscando materia prima para as minhas criações. Não seria a minha tardia chegada ao fogão e às suas misteriosas alquimias que me iriam influenciar o rasgo.
Esta ambição fez de mim capaz.
Hoje estou preparado para fazer quase qualquer coisa ocidentalmente aceite.
Quase.

Quase é exacto.

Mas não venho cantar sucessos.
Venho falar da falha.
Venho expor o sagrado momento em que sou obrigado a comer a porcaria que acabei de criar.

É uma parabola para a vida.

Fica aquele mau sabor na boca. Fica a nódoa negra.
Mesmo o que não queria saborear.
Exagerado e incomodativo.

O que me salva.
O que me consola.
É saber que não tenho de esperar muito para cozinhar novamente.

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Daniel Filipe no Poetry Slam Lisboa


Olá
4ª Feira, dia 27 de Fevereiro, vou-me estrear no Poetry Slam Lisboa.
Estarei frente ao microfone para dizer uns versos do meu livro Ameaça Fofinha.
Espero que apareçam.

Outras informações no cartaz abaixo


quarta-feira, fevereiro 20, 2013

Procuro isqueiro encarnado

De vez em quando perco coisas em casa e sinto-me completamente estúpido.

Agora foi o isqueiro. Um belissimo. Todo encarnado, completamente vulgar mas essencial para a pratica dos cigarros.
Ninguém devia carregar objecto tão desinteressante, muito menos fumar, mas o desaparecimento do isqueiro tornou-se num assunto de sumária importância.
Terei de recorrer aos rudimentares fosforos como os cowboys dos filmes do Sergio Leone.
Dá estilo.

Acontece com todo o tipo de objectos.
Quantas vezes tenho a boleia a porta e ando locamente à procura das chaves para fechar o estaminé.
Vasculho todas as divisões, bolsos, casacos e calças.
Há dias finalmente descobri o meu tripé. Esteve desaparecido dois meses no corredor.
Ocasionalmente tudo se some.

Preciso mesmo de arrumar a casa.

A Dieta - 5 - A Pesagem

IMC - 26,33 Sobrepeso Não me posso pesar todos os dias. Diz que torna a malta ansiosa e acho que a ansiedade engorda. Posso-me pe...